Modelo atual em discussão

Homem forte do orçamento municipal, o secretário de Gestão Governamental, Paulo Costa, já sinalizou que os aportes da Prefeitura para manter o sistema de transporte público continuarão em 2022.

Para o advogado Raul Ribas, especialista em Direito Constitucional, mestrando em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com atuação em Direito Público, a necessidade de subsídio não é restrita ao transporte coletivo de Blumenau. A discussão por aqui é recente, mas já é frequente em outras cidades.

“São Paulo destina anualmente R$ 2 bilhões por ano para subsídio do seu sistema, justamente porque a tarifa fixada lá, atendendo à modicidade, não cobre o custo do serviço e a remuneração (da empresa, a TIR)”, exemplifica.

Para o especialista, a pandemia, mesmo em se tratando de algo imprevisível, ajudou a escancarar deficiências do modelo adotado em Blumenau. Além da reavaliação de obrigações contratuais por parte da Blumob, a própria saúde financeira da concessão, na análise de Ribas, deve ser revista.

“Há uma dificuldade, não só em Blumenau, isso é uma realidade do país todo, da própria capacidade que o sistema tem de se autofinanciar. Essa é uma discussão que vamos passar a ter nas próximas décadas. Quem deve financiar? Só quem anda de ônibus? Ou será que temos que pensar em outro modelo onde quem usa o carro também financia?”, provoca o advogado.

Fundo municipal seria uma alternativa?

Existem algumas alternativas em fase de discussão no município. No início de abril, o suplente de vereador Pradelino Moreira da Silva (PT), que na época ocupava uma cadeira na Câmara de Vereadores em um período de licença do titular Adriano Pereira (PT), apresentou a proposta para a criação de um fundo municipal para custear despesas e investimentos em controle, operação, fiscalização e planejamento do transporte coletivo de Blumenau.

O projeto foi encabeçado pelo Sindetranscol, sindicato que representa motoristas e cobradores – Pradelino é vice-presidente da entidade. A ideia apresentada propunha usar valores de multas de trânsito e doações de empresas para ajudar a bancar os custos do sistema. Como a criação de um fundo municipal é competência do poder Executivo, a proposta foi encaminhada via indicação – que funciona como uma sugestão do vereador à prefeitura. 

Na última semana, a Câmara de Vereadores aprovou a criação do Fundo Municipal de Transporte Urbano (FMTU), projeto do Executivo para subsidiar, entre outros, o serviço de transporte coletivo.  Este recurso ajudaria a manter a viabilidade do transporte coletivo em Blumenau, que apresenta, principalmente após a pandemia, graves problemas de sustentabilidade financeira.

A própria agência reguladora (Agir) já havia indicado, em parecer administrativo, possíveis caminhos para a racionalização financeira da operação. Entre eles, justamente, a criação de um fundo.

>> Confira a sequência desta reportagem: “‘A gente vê bastante ônibus, mas a maioria deles estão estacionados e poucos ônibus de fato circulando'”

Um comentário sobre “Modelo atual em discussão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s