Iniciativa auxilia jovens autistas a ingressar no mercado de trabalho

Projeto Ágape, criado em Blumenau, auxilia jovens com diagnóstico de Transtorno de Espectro Autista que estão à procura de um emprego

Um grupo de pessoas, motivado por um mesmo pensamento, se juntou para fundar, em março de 2021, um projeto que auxilia jovens com diagnóstico de Transtorno de Espectro Autista que estão com dificuldades de encontrar seu primeiro emprego.

O público atendido pelo Projeto Ágape, de Blumenau, tem dificuldade em uma colocação profissional por diferentes razões. Seja pelo fato destas pessoas terem suas habilidades voltadas apenas para algumas áreas especificas, seja por não encontrarem oportunidades que lhes interessem.

Voluntários atuam no projeto em Blumenau. Créditos da imagem: Reprodução Instagram Projeto Ágape/Divulgação/Nosso TAL

Com a tutela do Sirecom (Sindicato dos Representantes Comerciais) Vale Europeu, o projeto surgiu de maneira filantrópica, contando com a adesão de empresas e entidades blumenauenses. Quem coordena o projeto é a idealizadora da iniciativa, Simone Gadotti, profissional da área financeira formada em Gestão Pública.

O projeto cresceu em 2021 depois que o advogado Rafael Boskovic conheceu a iniciativa e apresentou o Projeto Ágape para Rafael Silva, diretor da Blusoft. Encantado com a ideia, Silva trabalha junto aos voluntários da iniciativa com o objetivo de ampliá-la.

O atendimento feito pelo Projeto Ágape consiste em um trabalho que envolve oito passos até o diagnóstico final. Faz parte deste processo os atendimentos individuais, em grupo e com a família do paciente. A missão principal do projeto é a inclusão do autista no mercado de trabalho – o que está previsto em lei.


Primeiros resultados da proposta


Depois do projeto estabelecer diversas parcerias formadas, o objetivo dos voluntários é o de ampliar o alcance do projeto. Uma iniciativa, neste sentido, foi realizada no dia 26 de agosto, quando foi promovido o primeiro Atypicals Drafts no CIB (Centro de Inovação de Blumenau). O evento teve como objetivo apresentar diversas empresas da cidade para os jovens autistas.

Após seis meses de jornada, a iniciativa começou a gerar resultados. Além de toda a evolução e conhecimento que foram agregados aos jovens, ocorreu a primeira contratação: do jovem Luiz Fernando Bertoldi.

Contratado pela Cooper, Bertoldi atua na unidade da cooperativa na Vila Nova. Neste mesmo local o Projeto Ágape realizou uma AVP (Atividade de Vida Prática), que consiste em ações que visam melhorar a  autonomia dos jovens autistas.

Atualmente, o projeto busca se desenvolver ainda mais, com o planejamento de outras ações de Atypical Drafts e aumentando o número de participantes.

Repórter: Emanuel Pamplona Reinert.
Editora: Vanessa Beatriz Trapp.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s