Moradores da Nova Rússia investem na instalação de fossas ecológicas

Saneamento produtivo busca melhorar a qualidade da água captada pela Estação de Tratamento de Água 3 e auxiliar na produção de alimentos 

A equipe que atua na Estação de Tratamento de Água (ETA) 3 está incentivando moradores da região da Nova Rússia a implementar o chamado “saneamento produtivo”. Com o intuito de preservar as fontes de captação da ETA 3 no Ribeirão Garcia, a equipe do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) presta apoio técnico aos moradores para a construção de fossas ecológicas. 

De acordo com o assessor de Educação do Samae, Humberto Bruzadelli, a Nova Rússia é uma comunidade isolada em termos sanitários. Por isso, ainda segundo Bruzadelli, é inviável tecnicamente e economicamente levar a coleta pública até a região e depois destinar os dejetos a uma estação de tratamento de esgoto. A ETA 3 abastece cerca de 30% da população blumenauense.  

Desde a nascente e até a fonte de captação de água, o Ribeirão Garcia passa somente pela comunidade da Nova Rússia. Conforme Bruzadelli, essa comunidade seria, portanto, a única fonte poluidora do ribeirão neste trecho. Para fazer um diagnóstico do problema e entender a realidade da comunidade, o Samae foi a campo em 2019. Além deste trabalho de diagnóstico, os servidores públicos envolvidos no projeto orientaram a população quanto à questão do esgotamento sanitário.  

“É necessário que, para conseguirmos melhorar as condições de esgotamento sanitário, não só da Nova Rússia, não só de Blumenau, mas de todo os Brasil, que a gente trabalhe a mudança de perspectiva em relação ao esgoto. Porque o esgoto é visto na maioria das vezes apenas como problema, apenas como gerador de poluição ou de doença. Enquanto essa perspectiva se mantiver, é muito difícil que as condições melhorem da forma que tem que ser”.

Humberto Bruzadelli, assessor de Educação do Samae
Diagnóstico de campo na Nova Rússia. Crédito da foto: Humberto Bruzadelli/Samae/Divulgação/ Nosso TAL 

De acordo com o ranking de saneamento apresentado pelo Instituto Trata Brasil divulgado em março de 2021, 35 milhões de brasileiros não tem acesso à água potável, enquanto 100 milhões não têm serviço de coleta de esgoto. 

>> Mutirão para conclusão da Fossa Ecológica na propriedade vizinha à ETA 

Atualmente, a construção das fossas ecológicas é feita com recursos privados dos próprios moradores e conta com o apoio técnico do Samae. A equipe do serviço municipal ainda não conseguiu um recurso específico para auxiliar financeiramente a população. Mas, segundo Bruzadelli, um dos objetivos do Samae é conseguir a captação de recursos através da inscrição em editais anuais para projetos como este.  

Como as fossas ecológicas são feitas

O assessor de Educação do Samae comenta que os sistemas ecológicos foram criados com o objetivo de “tentar imitar” os processos naturais de tratamento dos dejetos. “Na minha opinião, não existe nada mais tecnológico do que a natureza”, comenta Bruzadelli. Segundo o servidor público, não há um modelo perfeito de fossa ecológica e sim a mais adequada para cada região. 

A primeira fossa ecológica da Nova Rússia foi instalada por sugestão do Samae por um morador que estava construindo uma casa. Ele instalou a fossa de bananeira com a orientação técnica da equipe do serviço público. A segunda fossa ecológica da região também teve orientação do Samae e funciona no mesmo sistema da fossa de bananeira. Mas nesta segunda estrutura foi utilizado o capim vetiver. 

Fossa ecológica na ETA 3. Crédito da foto: Humberto Bruzadelli/Samae/Divulgação/ Nosso TAL 

A fossa de bananeira foi um modelo escolhido pelo Samae como representante deste tipo de saneamento para apresentar para as pessoas o chamado saneamento produtivo. Este tipo de saneamento se caracteriza pela produção de alimentos de forma segura.

O modelo utilizado na Nova Rússia é o Tevap: Tanque de Evapotranspiração. “É um saneamento que tem como base essa integração. É um ciclo. Vamos explicar: eu me alimento, depois vou ao banheiro, as minhas fezes e urina se transformam em nutrientes, esse nutriente tratado da maneira correta retorna como alimento para as plantas que geram novamente alimento”, exemplifica Bruzadelli.  

Confira, no vídeo abaixo, como a fossa ecológica utilizando o modelo Tevap (Tanque de Evapotranspiração) funciona:  

Os próximos passos do projeto na comunidade da Nova Rússia  

O assessor de Educação do Samae conta que a previsão é que até o final de 2021 sejam implementados mais dois sistemas de fossas ecológicas a partir da iniciativa dos moradores da Nova Rússia. “A nossa ideia, desde o início, é essa também, de que seja um efeito multiplicador. A partir da primeira (fossa ecológica), outras vão sendo instaladas”, esclarece.  

Bruzadelli ressalta que a ideia é que a Nova Rússia sirva de piloto para outros projetos como este em Blumenau. “Grandes áreas da cidade ainda não atendidas pela coleta pública precisam também de um auxílio. A Vila Itoupava, por exemplo, a gente sabe que também enfrenta dificuldades. Então esse projeto, se consolidando na Nova Rússia, seria extensivo obviamente a outras porções da cidade que enfrentam os mesmos desafios”, projeta.  

A ETA 3 também possui uma fossa de bananeira. A partir de análises e observações desta estrutura na estação de tratamento, Bruzadelli escreveu um artigo científico com coautoria do ex-estagiário do Samae, Matheus Proença.

O artigo “Fossa Ecológica em uma Estação de Tratamento de Água: uma experiência produtiva” será apresentado no 31º Congresso da ABES – Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. A expectativa dos autores do artigo é que, a partir desta apresentação, o projeto ganhe mais visibilidade e, com isso, que ele ajude a replicar ideias que contribuam para a melhoria das condições sócio ambientais da região.  

Confira fotos e informações do projeto de divulgação das fossas ecológicas feito na Nova Rússia por Humberto Bruzadelli

Primeira colheita produzida pela fossa ecológica construída na Nova Rússia, em Blumenau. Crédito da foto: Humberto Bruzadelli/ Samae/Divulgação/Nosso TAL

Apresentação do projeto por videoconferência no dia 11/07/21 para o promotor de Justiça Dr. Leonardo Todeshini. Crédito da foto: Humberto Bruzadelli/ Samae/Divulgação/Nosso TAL

Segunda etapa de coleta dos efluentes de três sistemas individuais de tratamento de esgoto. Crédito da foto: Humberto Bruzadelli/ Samae/Divulgação/Nosso TAL

>> Conheça um projeto similar desenvolvido pela Prefeitura de Indaial 

Repórter: Joyce Thays Moser.
Editora: Camila Sepka.

Um comentário sobre “Moradores da Nova Rússia investem na instalação de fossas ecológicas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s